Caminhar pela casa e ter a sensação de que pode cair a qualquer momento. Tentar se olhar no espelho e ver seu reflexo embaçado ou desfocado. Essas e outras sensações são reproduzidas na Casa da Esclerose Múltipla, uma instalação montada para mostrar os desafios vividos por pacientes dessa doença autoimune.

Até quarta-feira desta semana (dia 30), o visitante pode deparar com as dificuldades vivenciadas pelo paciente nos estágios iniciais e intermediários da doença. São os chamados “sintomas invisíveis”, não percebidos pelo olhar de quem está de fora, como tentar escrever o nome em um computador e perceber que as letras digitadas não correspondem ao que se vê na tela, ou segurar uma xícara e sentir que ela é muito mais pesada do que parece.

A esclerose múltipla é uma doença que afeta o cérebro, nervos ópticos e a medula espinhal (sistema nervoso central), fazendo com que o sistema imunológico do corpo confunda células saudáveis com “intrusas”, atacando-as e provocando lesões. Os sintomas variam de pessoa para pessoa, incluindo fadiga, dificuldade para caminhar, problemas de visão, de equilíbrio e coordenação motora, dormência e formigamento em diversas partes do corpo.

Atenção: se houver suspeita de esclerose múltipla, a recomendação é procurar um médico para diagnóstico correto e tratamento adequado.

Quer conhecer a Casa da Esclerose Múltipla?

Onde: Parque Mário Covas, Alameda Santos, 1.873 – São Paulo (SP)

Quando: até 30 de agosto (quarta-feira), das 9h às 18h.