De acordo com CEO do IQG, no Brasil somente 3% dos hospitais são acreditados

2016

Enquanto 100% dos hospitais no Canadá, na França e na Austrália são acreditados, no Brasil esse número não passa de 3%. Esses dados foram apresentados durante o 5º Fórum Home Doctor pelo CEO do IQG – Health Services Accreditation, dr. Rubens Covello, que falou sobre a evolução das certificações no Brasil.

Ele fez uma retrospectiva da trajetória da acreditação no mundo. Em 1923, um grupo de ginecologistas canadenses, preocupados com a mortalidade materna, desenhou um processo que foi o primeiro manual de padronização existente, marcando o começo da preocupação mais efetiva com qualidade no sistema de saúde.

Em 1951, os colégios canadense e norte-americano se uniram e criaram um modelo de acreditação para os dois países, que evoluiu até 1958, quando houve uma ruptura. “Nessa separação está a origem das duas maiores ferramentas que temos hoje, porque estamos falando de dois modelos assistenciais de saúde completamente diferentes”, explicou dr. Covello.

“O modelo dos Estados Unidos é baseado em tecnologia, estrutura, judicialização, processos e depois pessoas (nessa ordem). O do Canadá é um sistema público-privado, em que o CEO é contratado no mercado, os funcionários são do hospital, e o comprador é o governo. O Canadá tem um modelo social de saúde. Portanto, a ordem de prioridade é em primeiro lugar o paciente, depois processos e estrutura. O desenho dos dois sistemas é completamente diferente.”

Paciente como centro das atenções

A ferramenta de acreditação que mais tem evoluído no mundo é a que segue o modelo canadense, a Qmentum, em que o paciente está sempre no centro das atenções. “E se nós estamos falando hoje que temos que mudar o nosso modelo de negócio para um modelo assistencial no qual o paciente é o principal elemento, nós estamos falando de um modelo de acreditação que acompanha essa evolução”, disse o palestrante.

Segundo ele, atualmente, mais de 84 países têm os seus próprios programas de acreditação. “Padrões de acreditação nacionais são baseados em padrões médios e mínimos de qualidade, segurança e regulamentação, porque eles têm que ser para todos. Programas de excelência, como o Qmentum, pelo qual a Home Doctor é acreditada, são baseados em padrões de excelência de verdade.”

Em 1987, foi criado um órgão internacional, com sede em Dublin, na Irlanda, que hoje organiza e audita os programas de acreditação. Assim, quase todos os programas de acreditação têm mais ou menos o mesmo desenho: segurança, gerenciamento de risco, manual, norma, rotina, processo e indicadores. “Os programas de acreditação que se vincularam a governos não deram certo, porque têm um viés político, enquanto a acreditação tem que ser isenta, voluntária e transparente”, afirmou.

Em 2000, foi criado no Brasil o modelo da Organização Nacional de Acreditação (ONA), que tem três níveis – acreditado, acreditado pleno e acreditado com excelência. Hoje, no país, há: 

  • 681 instituições, 303 hospitais e 7 empresas de atenção domiciliar acreditados pela ONA, entre eles a Home Doctor;
  • Já acreditados pela Qmentum há 98 instituições, 63 hospitais e um serviço de atenção domiciliar, a Home Doctor;
  • Entre os acreditados pela Joint Commission há 35 instituições, 23 hospitais e 3 serviços de atenção domiciliar.

Editora Conteúdo/Abgail Cardoso