6ª edição do Fórum Home Doctor celebra os 25 anos de pioneirismo na Atenção Domiciliar.

412

A Home Doctor promoveu no dia 3 de outubro a 6ª edição do Fórum Home Doctor, evento voltado para representantes das operadoras de saúde, hospitais, colaboradores e empresas parceiras. Na ocasião, além do espaço dedicado para palestras e discussão de temáticas referentes ao universo da Atenção Domiciliar, foram comemorados os 25 anos de atuação da empresa no Brasil.

Realizado na casa Traffô, na capital paulista, e com transmissão ao vivo nas redes sociais, o evento contou com uma programação diversa, com palestras, espaço para debates, além de uma descontraída e bem-humorada apresentação de stand up comedy com o comediante Marcelo Marrom. Ao final das atividades, os participantes puderam brindar com um coquetel ao som do trio Ladies and tramps.

Coquetel realizado para os participantes do evento

Tarde de Conteúdo

Iniciando a programação, Dr. Ari Bolonhezi, um dos sócios-diretores da empresa, fez uma apresentação sobre os 25 anos da Home Doctor. Para ele, a forma como a empresa conduziu e evoluiu sua gestão, mostra o quanto do trabalho realizado até os dias atuais influencia de maneira intensa o ramo da Atenção Domiciliar, fazendo com que a prestação de serviço esteja sempre no mais alto patamar de qualidade e profissionalismo.

“São 25 anos de atividades intensas e produtivas que certamente influenciam os caminhos da Atenção Domiciliar de maneira positiva e propositiva”, disse Dr. Ari.

Dr. Ari Bolonhezi durante palestra de abertura da 6ª edição do Fórum Home Doctor

A Home Doctor e sua história.

A história da Home Doctor se confunde com a história da Atenção Domiciliar no Brasil. Tudo começou no ano de 1994, quando três médicos que trabalhavam juntos iniciaram a busca por inovação nos serviços que prestavam. A partir da experiência que adquiriram durante a residência médica, onde alguns de seus preceptores eram antigos médicos de bairro, profissionais que atendiam o paciente em casa, eles começaram a pensar em algo direcionado à Atenção Domiciliar. Com o bom relacionamento que tinham com as operadoras de saúde, eles passaram a oferecer este serviço a seus pacientes e, para surpresa de todos, as próprias operadoras de saúde à época buscavam algumas alternativas de gestão e solução em saúde.

De acordo com o Dr. Ari, o mérito se deve em ter desenvolvido um negócio que “é sustentável, viável para todas as partes, sem deixar de lado nenhum dos integrantes do processo, sejam os prestadores de serviço, fontes pagadoras, pacientes, familiares e os demais profissionais envolvidos no atendimento. Ali a gente entendeu que a Atenção Domiciliar poderia ser um grande agregador do sistema de saúde como um todo”.

 A importância da Atenção Domiciliar.

A partir do ano 2000 a Atenção Domiciliar passou a ser uma importante ferramenta para a otimização da gestão de leitos hospitalares. Daí em diante a Home Doctor vem aprimorando a prestação do serviço.

“Esse é o nosso dever de casa: aprimorar o tipo de serviço que realizamos na residência do paciente para irmos além, para que possamos agregar um valor ao sistema de saúde, diminuindo o desperdício de recursos, aperfeiçoando seu uso em relação ao volume de pacientes atendidos, melhorando a qualidade da saúde da população”, aponta Dr. Ari.

Ele prossegue ressaltando que a Atenção Domiciliar é uma ferramenta que pode cooperar com o sistema de saúde de uma maneira geral, contribuindo com o levantamento de dados estatísticos, protocolos, formas de abordagens de doenças, tratamentos, reabilitações, mostrando como esses recursos podem ser melhor gerenciados de maneira a atingir a satisfação de todos os lados.

A palestra “Os 25 anos da Atenção Domiciliar no Brasil” inicia as atividades do Fórum Home Doctor

Recursos tecnológicos: inovação no dia a dia.

Outra questão ressaltada por Dr. Ari foi a implantação de tecnologia na área da Atenção Domiciliar, como o emprego da telemedicina, um tema atual, mas que, de acordo com Dr. Ari, necessita de critérios bem rígidos, adequados à qualidade e ao resultado da prestação de serviço.

“A Telemedicina precisa ser regrada para que a gente possa usá-la para agregar valor ao serviço, diminuir custos e desperdícios dentro da Atenção Domiciliar e do sistema de saúde sem perda de qualidade no atendimento. A gente não consegue ainda implementar grandes tecnologias desse tipo por algumas questões, como falta de regulamentação, uma legislação que aponte de quem é a responsabilidade e sobre quais aspectos”, explica Dr. Ari.

Em breve teremos mais conteúdo sobre as outras palestras que ocorreram no evento!